A Linguagem da Fotografia

A Linguagem da Fotografia

A Linguagem da Fotografia

Pessoal, este artigo abaixo é muito interessante para quem se interessa por fotografia. Boa Leitura!!!

A fotografia não é somente o conjunto de processos de uma arte ou ciência,  mas um texto não verbal em que, na ausência de palavras, encontramos o silêncio-imagem que comunica.

A palavra fotografia, em um contexto mais técnico, vem do grego: foto que significa “luz”, e grafia, que significa “escrever”, “gravar”, ou seja, o registro de imagens produzidas pela ação da luz sobre papel sensível. Esse material fotossensível pode ser, como nos primórdios da fotografia, “uma placa iodada, única, rara e cara como uma jóia” (Rosane de Andrade, 2002, p. 34), película (filmes) e, mais recentemente, cartões digitais.

Encontramos outro significado para a palavra fotografia, atribuída pelos japoneses, no qual percebemos um caráter de realidade “sha-shin”: reflexo da realidade (Almasy, 1980, p. 97), ou seja, uma representação social, uma forma do homem se expressar visualmente.

Segundo Roland Barthes (1984, p.21), (…) Parece que em latim fotografia se diria: imago lucis opera expressa, ou seja: “imagem revelada, tirada”, ”subida”, “espremida” (como suco de limão) por ação da luz.(…)

As fotografias são onipresentes: coladas em álbuns, reproduzidas em jornais, expostas em vitrinas, paredes de escritórios, afixadas contra muros, em forma de cartazes, impressas em livros, latas de conservas, camisetas, etc. Que significam tais fotografias? Para Vilém Flusser (2002, p. 37), (…) significam uma forma do homem se expressar na ciência, na arte, na publicidade, jornalismo, indústria, arquitetura, moda, criminalidade, álbuns de família e diversas outras representações que elas nos possibilitam.(…)

A revolução causada por esse meio de comunicação refletiu na forma do homem gerar o conhecimento, transmitir informações e questionar o mundo em que vive.

O seu caráter documental tornou-se uma arma de poder, segundo Suzan Sontag, (1986, p. 15): As fotografias fornecem provas. Qualquer coisa de que se ouve falar, mas de que se duvida, parece ficar provado graças a uma fotografia. Numa das variantes de sua utilidade, o registro de uma câmara incrimina; numa outra versão da sua utilidade, o registro de uma câmara justifica.
Segundo Boris Kossoy (2001, p. 18),
(…) desde o seu surgimento e ao longo de sua trajetória, até os nossos dias, a fotografia tem sido aceita e utilizada como prova definitiva, testemunho da verdade do fato ou dos fatos. Graças a sua natureza fisicoquímica e hoje eletrônica de registrar aspectos (selecionados) do real, tal como estes fatos se parecem, a fotografia ganhou elevado status de credibilidade.(…)

As fotografias são possibilidades de perpetuar uma fração do mundo no tempo e no  espaço, construindo o que chamamos de memória sócio-histórico-cultural da humanidade. 

Para o cidadão comum a fotografia é lazer, uma forma de poder registrar o nascimento de seu filho, a reunião com os amigos, uma viagem de férias, sua casa e seu trabalho.

Cada família constrói, através da fotografia, uma crônica de si mesma, uma série portátil de imagens que testemunha a sua coesão. Sejam quais forem as atividades fotografadas o que importa é que as fotografias sejam tiradas e conservadas com carinho. (Susan Sontag, 1986, p. 18).

Reveladora de detalhes e com o poder de resumir fatos, acontecimentos e produtos, encontra-se presente em todos os segmentos de comunicação, é de extrema importância para a sociedade e a indústria moderna que, na era da informatização, não sobreviveriam sem a reprodução visual.

Uma fotografia não é apenas o resultado de um encontro entre o fotógrafo e um acontecimento; fotografar é em si mesmo um acontecimento, cada vez com mais direitos: o de interferir, ocupar ou ignorar tudo o que se passa à sua volta. (…) em situações em  que o fotógrafo pode optar entre uma fotografia e uma vida, decidir-se pela fotografia. Quem intervém não pode registrar; quem registra não pode intervir.(…) (Susan Sontag, 1986, p. 20-21).

A fotografia é uma linguagem técnica e subjetiva. “Na imagem fotográfica encontram-se, indissociavelmente incorporados, componentes de ordem material que são os recursos técnicos, químicos ou eletrônicos, indispensáveis para a materialização da fotografia, e os de ordem imaterial, que são os mentais e os culturais”.(Boris Kossoy,  2002, p. 27).

Com o advento do processamento digital na fotografia, nas últimas décadas do século XX e início do século XXI, novas e polêmicas transformações ocorreram na forma de captação, ajustamento e conversão da imagem.

Segundo Arlindo Machado, doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Universidade de São Paulo, essas inúmeras transformações:
Têm causado um significativo impacto sobre o conceito tradicional de fotografia, e que se torna cada vez mais difícil saber o que é ainda especificamente foto-grafia, ou seja, registro sobre uma película revestida quimicamente e o que é, por outro lado, metamorfose, ou seja, conversão dos grãos fotoquímicos em unidades de cor e brilho, matematicamente controláveis, às quais damos o nome de pixels.

A tecnologia nos envia a outros aspectos conceituais da fotografia, levando-nos a repensar a sua própria identidade cultural com base no caráter de transmissora de informações, conhecimentos e memória. 

A necessidade de comprovar a realidade e de engrandecer a experiência através das fotografias é uma forma de consumismo estético a que todos nos entregamos. As sociedades industriais transformam os seus cidadãos  em viciados de imagens; trata-se da mais irresistível forma de poluição mental. (…) Mallarmé, o lógico dos estetas do século XIX, disse que tudo o que existe no mundo existe para vir acabar num livro. Hoje em dia, tudo o que existe, existe para vir a acabar numa fotografia. (Susan Sontag,1986, p. 31-32).

Os componentes da linguagem fotográfica nos remetem ao que podemos chamar processamento e “impacto social” da imagem fotográfica; escolher um determinado ângulo nos possibilita uma interpretação.

Os elementos formadores da imagem são a câmara fotográfica e o filme fotográfico ou o cartão digital, controlado por dispositivos técnicos que incluem as objetivas, responsáveis pelo foco, profundidade de campo e ângulo de inclusão da imagem.

A objetiva possui um mecanismo, chamado diafragma, que regula o tamanho de abertura das lentes, pela qual passará a luz, formando a imagem  ao tocar o material fotossensível ou um sensor eletrônico para as câmeras digitais; a velocidade dessa abertura é controlada pelo obturador, ou seja, esse dispositivo regula a duração de exposição desse material à luz.

A distância focal das lentes determinará o ângulo que a fotografia irá tomar, por exemplo, quanto maior a distância focal menor o ângulo de cobertura quanto ao objeto a ser fotografado e vice-versa.
O fotômetro medirá a quantidade de luz que chega ao filme que, na dependência da regulagem, produzirá  uma imagem superexposta, subexposta ou exposta corretamente, e o flash, que tem como função preencher a ausência de luz em uma cena a ser fotografada.

O conteúdo estético da fotografia é de extrema importância e seus elementos enaltecem a criação, a interpretação e a apreensão do emissor e do receptor da imagem fotográfica, gerando diversas leituras (…) “de qualquer modo, há tantas leituras de uma mesma face.” (…) (Roland Barthes, 1984, p. 28).

No ato solitário de produzir uma fotografia valorizamos o objeto, o grupo ou figura individual, provocando sensações e reflexões; trabalha-se o corte e o enquadramento junto à perspectiva, com liberdade para desfocar a forma, focando e congelando o movimento, escolhendo o ângulo, contrastando as cores ou compondo; na sua ausência, cria-se outro balanço.

Podemos gerar a idéia de tato texturizando, obter um ambiente dramático, de sonho, medo, fantasia, sedução e sombra, brincando com a luz.

A aberração também faz parte dessa construção, podendo nos levar ao que chamamos de abstrato e surreal na fotografia.

Uma fotografia se faz não somente de técnica, mas de todo o aparelhamento cultural e subjetivo do emissor; dessa forma, realiza-se também a leitura do seu discurso. 

Em sua obra “Fotografia e Antropologia”, Rosane de Andrade  (2002, p. 106) traduz o que a fotografia significava para Pierre Verger:
A fotografia permite ver o que não se tem tempo de ver, pois ela fixa. E ainda memoriza, é memória. O milagre é que esta emoção sentida diante de uma fotografia muda, testemunho de um fato fixado por um instantâneo, possa ser sentida por outras pessoas, revelando um fundo comum de sensibilidade, muitas vezes não expressa, mas reveladora de sentimentos profundos quase sempre ignorados.

A fotografia é uma impressão gráfica e virtual que nos transporta ao ato de comunicar e fotografar. Para Susan Sontag (1933-2004) (1986, p. 14) (…), “é apropriarmo-nos da coisa fotografada. Significa envolvermo-nos numa certa relação com o mundo, que se assemelha ao conhecimento e, por isso, ao poder”.(…). 

Fonte: www.confoto.art.br
Artigo de Con Vieira – Fotógrafa e graduada no curso de Comunicação Social pelo Centro Universitário Moura Lacerda – Ribeirão Preto – SP
e-mail: Con_Vieira@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s