Inclusão e Exclusão Digital – Dois lados de uma mesma moeda no Brasil e no Mundo

A inclusão digital é geralmente definida num país pela relação entre a porcentagem de pessoas com acesso a computador e/ou Internet no domicílio e o total da população.

A inclusão digital é geralmente definida num país pela relação entre a porcentagem de pessoas com acesso a computador e/ou Internet no domicílio e o total da população.

Por Magno Martins

Antes de chegar ao conceito de inclusão e exclusão social, deve-se ressaltar que a pobreza não é um fenômeno isolado. A maneira como ela é definida e percebida depende do nível de desenvolvimento cultural, tecnológico e político de cada sociedade. A introdução de novos produtos, que passam a ser indicativos de uma condição de vida “civilizada” (seja telefone, eletricidade, geladeira, rádio ou TV), aumenta o patamar abaixo do qual uma pessoa ou família é considerada pobre.

A citação a seguir m ostra uma vertente da questão de inclusão como algo mais amplo: “Vivemos em um mundo de opulência sem precedentes. O regime democrático e participativo tornou-se o modelo preeminente de organização política. Os conceitos de direitos humanos e liberdade política hoje são parte da retórica prevalecente. As pessoas vivem, em média, muito mais tempo e as regiões do globo estão mais estreitamente ligadas nos campos das trocas e também quanto a idéias e ideais. Entretanto, vivemos igualmente em um mundo de privação e opressão extraordinárias no qual persistem a pobreza e necessidades essenciais não satisfeitas, fome, violação de liberdades, negligência para com as mulheres, e graves ameaças ao meio ambiente, tanto em países ricos, como em países pobres. Superar esses problemas é parte central do processo de desenvolvimento.” (SEN, 2000,pp.9-10).

A exclusão digital se diz respeito às conseqüências sociais, econômicas e culturais da distribuição desigual do acesso a computadores e Internet. Antes, excluía destes parâmetros acesso à telefonia. Embora pertença ao mesmo grupo de produtos de tecnologia avançada, até por compartilhar a mesma infra-estrutura, sob uma perspectiva sociológica, realmente o telefone possui características bem diferentes dos demais: é parte da família de produtos “inclusivos para analfabetos” — que podem ser utilizados por pessoas tecnicamente sem nenhuma escolaridade —, enquanto os computadores e a Internet exigem um grau mínimo de instrução. Mas com a evolução do sistema de telefonia, vendo pela perspectiva do celular, pode-se considerar este termo ultrapassado, pois hoje a internet está em voga no celular (emails, mensageiros instantâneos, mobile-commerce), criando uma margem ainda maior de exclusão para aqueles que não sabem utilizar a Internet e tão pouco os diversos recursos e aparatos presentes em um único aparelho móvel.

Como o ciclo de acesso a novos produtos começa com os ricos e se estende aos pobres após um tempo mais ou menos longo (e que nem sempre se completa), há um aumento da desigualdade. Os ricos são os primeiros a usufruir as vantagens do uso e/ou domínio dos novos produtos no mercado de trabalho, enquanto a falta destes aumenta as desvantagens dos grupos excluídos. Em ambos os casos, os novos produtos tecnologicamente avançados aumentam consequentemente a pobreza e a exclusão digital.

A inclusão digital é geralmente definida num país pela relação entre a porcentagem de pessoas com acesso a computador e/ou Internet no domicílio e o total da população. Para identificar as pessoas incluídas, o critério geralmente utilizado é o número de computadores por domicílio e/ou de computadores por domicílio com acesso à Internet. Essa metodologia já foi alvo de críticas, pois em países com um número significativo de pontos de acesso coletivo (comumente denominados telecentros ou cibercafés). Argumenta-se também que as famílias de classe média normalmente possuem mais de um computador por domicílio, fato que não ocorre nas famílias pobres, o que significaria um número maior de usuários por computador nas famílias pobres e menor nas famílias de classe média.

No caso brasileiro, o impacto estatístico dos telecentros é secundário, dado que seu número em escala nacional ainda é relativamente. Por sua vez, a expectativa de um maior número de usuários por computador no domicílio das famílias pobres deve ser qualificada, já que, como indica a pesquisa, na maioria dos casos são poucos os seus membros que usam computador.

O processo desigual de disseminação do computador entre a população das diferentes cidades do Brasil reflete sem dúvida o nível desigual de riqueza e escolaridade entre as diferentes regiões e cidades, em particular entre as populações pobres das regiões Norte e Nordeste e do Centro-Sul. A posse do computador, porém, está também associada a um componente intangível: a disseminação de uma cultura de valorização da informática associada em especial à noção de que seu domínio é condição de emprego e sucesso na educação.

De fato, em qualquer pesquisa sobre perspectivas de empregabilidade e carreira profissional, em uma única pergunta para a qual encontra-se uma resposta consensual, independentemente de grau de escolaridade, renda, cor e gênero, e quanto à importância do conhecimento de informática para a obtenção de emprego: é garantido que quase totalidade dos entrevistados indica que este conhecimento ajuda a conseguir trabalho. Portanto, se a disseminação do computador tem uma óbvia correlação com o nível de renda e de escolaridade, ela está igualmente associada aos padrões culturais mais amplos de informatização da sociedade.

Com estas vertentes, pode-se dizer que incluir digitalmente não é apenas “alfabetizar” a pessoa em informática, mas também melhorar os quadros sociais a partir do manuseio dos computadores. O erro de interpretação é comum, porque muita gente acha que inclusão digital é colocar computadores na frente das pessoas e apenas ensiná–las a usar Windows e pacotes de escritório. A analogia errônea tende a irritar os especialistas e ajuda a propagar cenários surreais da chamada inclusão digital, como é o caso de comunidades ou escolas que recebem computadores novinhos em folha, mas que nunca são utilizados porque não há telefone para conectar a internet ou porque faltam professores qualificados para repassar o conhecimento necessário.

Entende-se que não é apenas ensinar os princípios do bê–á–bá da linguagem informatiquês, mas mostrando como ela pode ganhar dinheiro e melhorar de vida com ajuda do computador e seus aparatos avançados. Ou seja, para que a Inclusão Digital diminua o efeito colateral da Exclusão digital, é necessário capacitar as pessoas com essas tecnologias para que possam utilizá-las em benefício próprio e coletivo e ao mesmo tempo tornando essas pessoas com senso crítico de tudo o que pode acontecer ao seu redor.

Veja o vídeo abaixo sobre a Inclusão Digitall

Leia também:
:: Ao conceito de Inclusão Digital… Entender o que de quê mesmo?

:: TV Digital – Chance e/ou válvula de escape para a Inclusão Digital em massa

Este artigo foi postado na Biblioteca de Artigos sobre Inclusão Digital do Portal do Ministério da Ciência e Tecnologia. Clique aqui e confira

About these ads

22 comentários em “Inclusão e Exclusão Digital – Dois lados de uma mesma moeda no Brasil e no Mundo

  1. Jaciara disse:

    Muito bom…muito bom,…vou t como referência no meu trabalho….

    • Magno Martins disse:

      Jaciara, boa noite!

      Que bom que gostastes do artigo. Fique à vontade para sugerir, criticar e opinar.

      Um abraço!

      Magno Martins

  2. Parabéns pelo artigo! Ter um texto publicado na biblioteca online do Ministério da Ciência e Tecnologia não é para qualquer um hein! Continue assim.

    • Magno Martins disse:

      Oi Gabi!!!!

      Muito obrigado pelo comentário!!!! Estou muito feliz e gratificado pelo reconhecimento sobre o artigo =]

      Um abraço e volte sempre!!!

  3. [...] :: Inclusão e Exclusão Digital – Dois lados de uma mesma moeda no Brasil e no Mundo [...]

  4. [...] Leia também :: Inclusão e Exclusão Digital – Dois lados de uma mesma moeda no Brasil e no Mundo [...]

  5. lary mends disse:

    ESPERO Q ESE SEU BLOG VENHA AUMENTAR QERO DIZER Q O BRASIL TODO VEJA, POIS O NOSSO BRASIL ESTA QUASE ABAIXO DO NÍVEL D POBREZA
    ENFIM Q OS GOVERNANTES Q TOMAN CONTA DISO FAÇAM ALGUMA COISA PARA AO BRASIL, PAR PODER MOSTRAR Q NOS PODEMOS MUDAR E MUDAR PARA MELHOR
    E O Q EU MAS QERO!!
    TODO MUNDO DIZ PRA MUDAR O MUNDO, MAS E NOS Q DEVEMOS MUDAR E NAUM O MUNDO!!!

    • Magno Martins disse:

      Oi Larisse, tudo bom?

      Muito obrigado pelo seu apoio. Realmente há muito o que trabalhar sobre esta questão digital no Brasil.

      Um abraço!

      Att,
      Magno Martins

  6. stephanie disse:

    obrigado por me ajudar essa pesquisa é para nota de escola agradeco muito

    • Magno Martins disse:

      Oi Stephanie,

      Fico muito feliz ao saber que o artigo tenha lhe ajudado em uma pesquisa escolar.

      Volte sempre ao blog!

      Um abraço!

      Att,
      Magno Martins

  7. Luccas disse:

    Magno, posso usar esse texto pra base em um trabalho meu da faculdade ?

    • Magno Martins disse:

      Lucas, tudo bom?

      Pode utilizar o texto sim, sem problemas algum. Peço desculpas pela demora ao responder.

      Um abraço!

      Magno Martins

  8. [...] Inclusão e Exclusão Digital – Dois lados de uma mesma moeda no Brasil e no Mundo (Este artigo foi postado na Biblioteca de Artigos sobre Inclusão Digital do Portal do Ministério da Ciência e Tecnologia) [...]

  9. gustavosanti disse:

    Uau! Parabéns Magno!
    Excelente texto e concordo contigo no ponto de que “abrir a janela” apenas não é o caminho propriamente correto. É como se jogássemos uma criança na rua sem orientar para onde ela deve ir, qual o melhor caminho. E o mesmo acontece na internet, onde muitos entram mas não sabem quais janelas devem abrir.

    Abraços!

    • Magno Martins disse:

      Olá Gustavo, tudo bom?

      Realmente as pessoas precisam saber usar muito bem e melhor o mundo online. Acreditava-se que a TV Digital seria uma ótima alternativa para a Inclusão Digital, porém este projeto já sofreu tantos atrasos que parece que nunca vai ser levado a sério, como deveria ser. Com os números crescentes de pessoas com acesso a Internet, mesmo que seja por um celular, reforça e muito que a Internet é a grande solução para acabar com este problema em nosso país. Basta ter mais incentivos por parte do governo, que acredita que telecentros é a solução ideal. É preciso educar, mostrar que o mundo da WEB tem e muito para oferecer qualquer pessoa de qualquer classe social.

      Muito obrigado pelo seu comentário.

      Grande abraço!
      Magno Martins

  10. Amanda Gomes disse:

    Fico Muito ótimo!

    ATT,
    Amanda

  11. Luiz Felipe disse:

    Boa Tarde Magno,

    artigo muito interessante, q servira para meu tcc,

    já esta nas referencias !

    abçs

    • Magno Martins disse:

      Olá Luiz, tudo bom?

      Fico muito feliz em ter te ajudado em seu TCC.

      Depois, compartilhe conosco seu trabalho.

      Um abraço!

      Att,
      Magno Martins

  12. If some one wants to be updated with hottest technologies then he must be visit this website and be up to date daily.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s